XVI Domingo do Tempo Comum (A)

A PACIÊNCIA TUDO ALCANÇA16 COMUM A

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente o Evangelho Mt 13,24-43.
- Sublinho o importante; anoto o mais significativo.
Porque permite Deus o mal no mundo e na Igreja? Em parábolas, Jesus aponta respostas. O trigo e o joio simbolizam o bem e o mal, dentro e fora de nós. O grão de mostarda e o fermento significam a eficácia, discreta mas real, do Reino de Deus.

2. O que me diz Deus
- Imagino que é a mim que Jesus conta estas parábolas. Que aprendo delas? Que sinto?
Como os servos da parábola, quero erradicar o mal (joio) do mundo e de mim mesmo. Jesus não se perde com o “porquê”. Destaca a paciência do “homem [Deus] que semeou a boa semente”. Tal desperta-me a prudência de não me precipitar: julgar atitudes para condenar pessoas. Em boa verdade, todos somos trigo e joio. Como não confundir plantas tão parecidas!? Por isso, não devo classificar os outros. A Palavra de Deus desafia-me a tomar as opções certas; a acreditar e apostar na maturação dessa semente/fermento que é o bem existente no coração do ser humano.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, queria pedir-Te para arrancares todo o joio existente no mundo. Mas, já sei que isso não me convém. Ao querer eliminá-lo, acabo por reforçá-lo. Antes, preferes que eu aprenda a lidar com ele. Reconhecendo primeiro o meu próprio joio, saberei compreender e compadecer-me com o alheio. Concede-me, pois, a tua paciência.
Dá-me, sobretudo, a capacidade de olhar como Tu vês: descobrir e maravilhar-me com o trigo presente, em mim e nos outros. Ajuda-me a não quantificar o mal. Provoca em mim o desejo de sempre buscar e achar o bom, o belo, o positivo e o prometedor, em tudo e em todos.
Apesar de limitado, serei uma pequena semente do teu Reino. Tu em mim, serás fermento junto daqueles que eu cruzar nos “campos” da minha vida.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo sua presença.
Senhor, olhas para mim cheio de paciência e misericórdia, pronto a converter joio em trigo. Olho para Ti cheio de gratidão e humildade. ConTigo, aprendo a esperar. Em silêncio, contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

UM PENSAMENTO
“Especializa-te em tentar descobrir em toda e qualquer criatura o lado bom que ela possui; ninguém é maldade concentrada.” (D. Hélder Câmara)

PROVOCAÇÕES
- Considero-me trigo ou joio?
- O que, em mim, é joio? Que identifico como trigo?
- Que fazer para que o trigo cresça mais em mim?
- Acredito na força do Reino de Deus, apesar da fraqueza dos meios humanos?

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de ser paciente e ter um olhar positivo.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Sonhaste-me seara de trigo
Eis-me impuro campo de joio.
Boa semente em mim semeaste,
Em plena luz do teu dia.
Minha noite, de cizânia a cobriu.

Que farás deste adulterado trigal?
Quisera, pronto, joeirar todo o mal
Que me polvilha a existência.
Mas Tua sábia paciência abonou:
Toda a sombra comprova luz.

Joio de mim, lamento.
Tu, olhas além da debilidade.
Trigo por Ti, assim espero.
Vês-me já grão de maturação.
Há o meu tempo e tua eternidade.

UMA CANÇÃO
We Are Messengers – Maybe it’s OK

(Ativa as legendas do Youtube, caso estas não apareçam)