XIV Domingo do Tempo Comum

TERMAS… PARA A ALMA14 COMUM A

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente o Evangelho Mt 11,25-30.
- Sublinho o importante; anoto o mais significativo.
Jesus experimenta a rejeição à sua missão. Em resposta, integrando o insucesso, ora ao Pai. Não se lamenta. Antes, rejubila e louva pelos “pequeninos” (os simples, humildes e frágeis da sociedade), capazes de entender e acolher a sua mensagem.

2. O que me diz Deus
- Imagino-me ao lado de Jesus. Escuto sua oração e convite. O que aprendo d’Ele? Que sinto?
Com Jesus, aprendo a ver e louvar o positivo do meu dia, em vez de me deixar abater pelas contrariedades. O passado pode pesar-me com desilusões e feridas. O presente parece sobrecarregar-me com pesos e injustiças. O futuro tende a ensombrar-se com incertas e preocupações. Mas, tudo isso deve ser integrado na oração que dirijo a Deus. Ele é o meu refúgio seguro. O “jugo” que Jesus me propõe é, afinal, a relação com Ele. Para isso me chama (vinde a Mim), convida a segui-Lo como discípulo (aprendei de Mim) e experimentar a vida plena no encontro com Ele (encontrareis descanso).

3. O que digo a Deus
Senhor, serei dos “pequeninos” do Evangelho? Tantas vezes me refugio na segurança de julgar saber mais que os outros. Sem querer, caio na arrogância de me achar mais “salvável” que muitos. Peço-Te: seja eu capaz de, humildemente, redescobrir-Te na novidade de cada dia.
Na verdade, acho-me pequeno por outras razões. Vencido e oprimido pelo cansaço diário das obrigações e preocupações, angustiado pela incerteza do que pode suceder, sinto desalento. Por isso, as tuas palavras são consolação. Não ficarei a remoer, sozinho, fechado nos meus problemas.
Convidas-me a sair e procurar em Ti refúgio onde renovo forças e ânimo. Teu jugo é suave, partilhado no amor e confiança. Tua carga é leve, retirando angústia do coração. Aliviado, saberei retornar ao meu quotidiano, reconfortado e esperançoso.

4. Contemplando Deus
Senhor, no teu coração manso e humilde, repouso. Em Ti encontro renovadas forças. A cruz permanece, mas Tu carregas o peso maior. ConTigo, o jugo é suave e a carga leve. Por isso, Te louvo. No teu amor confio. Em silêncio agradecido, contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

UM PENSAMENTO
“Um homem não vale aquilo que vale a sua inteligência, mas aquilo que vale o seu coração.” (Mahatma Gandhi)

PROVOCAÇÕES
- Considero-me sábio entendido ou humilde aprendiz?
- Creio poder compreender Deus só pelo raciocínio intelectual?
- Procuro renovar as minhas forças e ânimo na Palavra e na oração?
- Aproveitarei o verão para escutar Deus, rezando e meditando?

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de acolher Deus e confiar n’Ele.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Serei eu suficientemente pequeno
Para Te conter, infinitamente grande?
Porque, se do espaço todo me aposso,
Não terás centro nem assento em mim.
Como Te alcançar, na tua significância
Se não logro descolar do meu chão?
Se não fores Tu a encontrar abertura
Numa brecha deste falho coração…

Vem e aprende de Mim, dizes.
Manso e humilde, por ti me tornei:
Acha cura e repouso almejados;
Toma por teus, suaves e leves,
Jugo e carga, por mim escorados
Vem… e, juntos, cresçamos.

UMA CANÇÃO
David Crowder – Come as you are