V Domingo da Quaresma (A)

IR PARA FORA, CÁ DENTRO5 QUARESMA

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparação
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. Leitura
Leio pausadamente o Evangelho Jo 11,1-45. Relaciono-o com a Paixão de Cristo.
- Através do ritmo, detalhes, emoções expressas e diálogos, alcanço a mensagem. O que me diz, o que me faz sentir?
- Sublinho o importante; fixo o essencial. Esta Palavra é-me dirigida.

2. Meditação
No quarto Evangelho, a devolução à vida de Lázaro remete para o maior sinal: a morte e ressurreição de Jesus. Ao “deixa passar” dois dias, Cristo torna o tempo divino. Tal como ocorrerá com Ele, só ao terceiro dia a ação salvífica de Deus começa a desencadear-se: Jesus dirige-se a Betânia, desafia e fortalece a fé de Marta e Maria e, por fim, o amigo é chamado de novo à vida. Esta passagem revela-me também as emoções do Mestre: comove-se, perturba-se, chora, brada. Tudo por amor. A Boa Nova é que Deus continua a chorar comigo e a amar por meio de mim. Também neste tempo.

3. Oração com Deus
Que tempo este, Senhor! Todos recomendam ficar em casa e, Tu, desafias-me a sair!?
Mas o teu Evangelho não fala em sair de casa, mas sim do túmulo. Não Te referes à pandemia, mas à vida mais forte que a morte. Não me pedes para sair para a rua, mas de tudo quanto me aprisiona interiormente. Não esperas de mim que seja temerário com a vida, minha e alheia. Pelo contrário, alentas-me a não ceder ao medo contagioso, ao alarmismo asfixiante. Queres-me de pé perante a adversidade, realista e confiante na tempestade. Por tudo isso, bradas com voz forte: Vem para fora!
É dos meus túmulos que tenho de sair: medo, desespero, autossuficiência egoísta, indiferença com os outros… Tantas atitudes que declaram morte espiritual, que atrofiam o coração. Diante de Ti, analiso os meus sentimentos atuais. Cura-me do egoísmo. Liberta-me da opressão da incerteza.
Como sei que posso confiar em Ti, nestes tempos difíceis? Porque choraste pelo teu amigo Lázaro. Reconheço: falho-Te muitas vezes, mas quero ser teu amigo. Sei, sobretudo, que me queres Bem. E, nesta hora, preciso de Ti… E tantos outros também.
Senhor, o(s) teu(s) amigo(s) está(ão) doente(s)… no corpo e/ou na alma. Dá-me força e coragem, a mim e a todos, para lutar e sair dos nossos males.

4. Contemplação
Senhor, Tu és a força e coragem da vida em mim. A tua Palavra é ancora e porto seguro na tempestade. Como Lázaro, reergues-me. Amparado em Ti, saberei cuidar dos outros. Por isso, louvo-Te e abandono-me nas tuas mãos. ConTigo, fico em paz. Agradeço, contemplo e adoro. Inspira-me o que esperas e mereces de mim.
Apoiado em Ti, ouso comprometer-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

UM PENSAMENTO
“O verdadeiro inimigo da morte não é a vida, mas o amor”. (Ermes Ronchi)

PROVOCAÇÕES
- Acredito que o Deus de Jesus é o Deus da vida?
- Estou comprometido na libertação dos outros?
- Nesta Páscoa, que farei pela minha libertação e pela dos outros?

UM PROPÓSITO
Pedir ao Espírito Santo a graça da confiança no meio da tormenta.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Senhor, o teu amigo está doente…
Dias de espera sabem a eternidade
Quando percebo o fim sem amanhã
E parece tardia a Tua voz, ao ecoar.
Eu acredito: serás ressurreição e vida.
Mas, em mim, é a morte quem soluça.
Inconformado, bradas: Vem para fora!

Senhor, em quarentena, sair não posso,
Em medos e autossuficiência, sepultado.
Pode a humana dor estremecer o divino?
Sim. Do teu coração que chora, aprendo:
Ressurreição e vida são para o presente
Tendo a fé por lugar e o amor por força.
Vem para fora de ti mesmo! Vive hoje!

UMA CANÇÃO
Zach Williams – Rescue Story