XXV Domingo do Tempo Comum (A)

JUSTIÇA INCLUSIVA25 COMUM A

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente o Evangelho Mt 20, 1-16.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
Nestes próximos três domingos, Jesus conta parábolas sobre a vinha, símbolo bíblico do Reino de Deus. Nesta passagem, destacam-se dois aspetos: Deus chama todos a serem seus colaboradores; a cada um reserva a mesma recompensa, a salvação.

2. O que me diz Deus
- Imagino-me ouvinte e personagem da parábola. Como reajo? O que sinto?
Escandaliza dar-se o mesmo salário a quem trabalha de sol a sol e ao que só labora uma hora. Jesus não pretende apresentar um código laboral. A mensagem é outra: no Reino de Deus não há desempregados. Todos devem cooperar. O salário deriva da bondade gratuita de Deus e não dos meus méritos. Jesus quer abrir o meu olhar e coração à lógica do amor do Pai. A parábola expõe a distância entre o meu pensar e o de Deus. Para Ele, não há últimos nem primeiros. O importante não é a minha prestação mas a relação com Ele. Esta é a recompensa. Aceito-a ou reivindico?

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, a todas as horas me procuras e esperas a minha disponibilidade. O mesmo fazes com todos, pois não excluis ninguém. E eu, tão seletivo na hora de escolher colaboradores! Concede-me essa abertura de ver em cada um essa “parte de Ti” presente neles.
Ajuda-me a não julgar ninguém como menos merecedor das tuas graças, só por me parecer menos “eficiente” ou chegado de “última hora”. Aliás, para Ti nada é questão de méritos. Não contabilizas e pouco Te importam as “regras de mercado”. Não avalias prestação de serviços. Queres-nos simplesmente próximos de Ti, como colaboradores teus. Confias-nos a tua vinha e, por fim, a todos queres conceder a graça da salvação.
Senhor, quero saborear a tua proximidade como única recompensa. Basta saber-me chamado a cooperar no teu Reino e amado por Ti, com muitos outros.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, Tu és a minha recompensa. Não pretendo melhor salário que teu amor e tua vida em mim. Cansado, em Ti repouso. Renovado, por Ti trabalho. Por todas as horas, Te agradeço e louvo. Contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

UM PENSAMENTO
“A bondade é o único investimento que nunca vai à falência. (Henry David Thoreau)

PROVOCAÇÕES
- Preocupo-me em ser “bem pago” pelo bem realizado?
- O que motiva meu compromisso com Deus: o prémio ou retribuir o amor?
- No bem, valorizo mais a prestação ou a relação?
- Alegra-me o sucesso dos outros ou invejo-o?

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de ser mais generoso e menos juiz.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Desde a hora primeira,
Chamaste-me
E despertei para a vida, extasiado.
Na hora segunda,
Ouvi pronunciar teu nome
E principiou nosso diálogo, habitado.
Em hora terceira,
Comprometi-me
E experimentei-Te, sublimado.
Pela hora quarta,
Provei fadigas e dúvidas
E vacilei, desarmado.

Na minha hora derradeira,
Verdadeiramente primeira,
Saborearei teu amor, re-compensado.

UMA CANÇÃO
Jesus Culture – Come away