XXXIV Domingo Comum - CRISTO REI (B)

UM REI DIFERENTECRISTO REI B

LECTIO-DIVINA - Um roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Jo 18, 33b-37.
- Sublinho e anoto o mais significativo.

Antes de ser condenado à morte na cruz, Jesus é interrogado por Pilatos sobre a sua identidade. Declara-se rei, não deste mundo, mas para manifestar Deus, a verdade total.

2. O que me diz Deus
- Imagino-me presente neste tribunal. Do que ouço e vejo, que experimento?
Este excerto do diálogo entre Jesus e Pilatos, no Evangelho de S. João, evidencia-me a autoridade de Cristo. Maniatado e prestes a ser açoitado e condenado, Jesus revela-se mais livre do que Pilatos, ladeado de legionários. Apesar de se aperceber da inocência do réu, o representante de Roma não ousará arriscar o seu lugar. Cederá. Pelo contrário, Jesus não precisa defender-se. A sua liberdade depende do que ama; a do outro submete-se ao que teme. Nesta diferença reside a verdade de Deus. Onde assenta a minha liberdade?

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, o tribunal de Pilatos assemelha-se ao meu quotidiano. Cada dia, sou desafiado a escolher entre o que quero, o “politicamente correto” e o que Tu esperas. Ora cedo à ilusão do que julgo dar-me liberdade. Engano-me. Ora, por respeitos humanos, dobro-me à pressão do que os outros acham ou dizem. Desiludo-me. Ajuda-me a escolher-Te, sabendo que não perco, antes potencio a liberdade.
Para Ti, reinar é salvar. Não queres ser temido, mas amado. E é nesse amor ilimitado, que não vacila sequer perante a cruz, que eu me livro dos meus medos e da opressão de não falhar. Sou o pecador que precisa de perdão, a ovelha perdida necessitada de resgate. Escutando a tua voz, tua verdade reinará em mim. Liberto por ela, passarei a ser, também eu, sua testemunha.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, Tu és a verdade de tudo, a verdade que liberta o ser e plenifica o existir. Por isso, eu Te agradeço e louvo, contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- O que/quem reina na minha vida?
- Que verdade(s) transparece(m) em mim?
- Vivo liberto, interiormente, em todas as circunstâncias?

UM PENSAMENTO
“Cristo é a resposta total à interrogação total do homem.” (Karl Rahner)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de deixar a verdade reinar em mim.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Em Ti, a Verdade
tomada de carne
ecoa eternidade.
Fez-se ao caminho
da minha humanidade,
proclamada e confirmada
na coerência dos teus dias,
mas despida e açoitada
pela azoada zombeira
da muda vaidade.

Em mim, trecho de tempo
sedento de saciedade
espero, malgrado inconstância,
aflorar, de Ti, a Verdade
essa tua díspar e real coroa
encarnada de puro Amor.

UMA CANÇÃO
GUC – Knowing You

Podcast: