XXII Domingo Comum (C)

O LUGAR QUE O AMOR TOMA22 COMUM C

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Lc 14, 1.7-14.
- Sublinho e anoto o mais significativo.

Convidado para uma refeição, Jesus observa a pretensão dos convidados aos primeiros lugares. Decide então contar duas pequenas parábolas, sobre humildade e gratuidade.

2. O que me diz Deus
- Que me fazem pensar e sentir as palavras de Jesus?
Com as duas parábolas, Jesus não me propõe regras de etiqueta, muito menos astúcias para sair bem visto. Na verdade, alarga o cenário do banquete ao Reino de Deus. Assim, recomenda-me duas atitudes fundamentais: a humildade e a gratuidade no amor desinteressado ao próximo. Segundo a lógica do Reino, ser primeiro implica pôr-se em último, tornar-se naquele que serve. Dispensa cálculos e interesses para prodigalizar amor a fundo perdido. Assim fez Jesus. Assim faço eu!?

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, não temeste ocupar o último lugar. Todo-poderoso, nasceste indefeso, pobre e anónimo, numa manjedoura. Mestre e Senhor, vieste como quem serve, entregando a vida. Íntegro e santo, morreste como condenado, na cruz. Lugares que ninguém quer, mas lugar teu, por ser o espaço de que quem mais ama. Ajuda-me, pois, a desejar e a ocupar esse lugar, sempre que necessário.
Tua Palavra explica-me como “funciona” o Reino: dando espaço para que o outro seja. Devo abdicar de pretender, por falsa segurança, os primeiros lugares. Não preciso estar acima de ninguém, nem “dar nas vistas”. Basta-me ter-Te a Ti. Mais, para que eu seja, preciso dos outros, a meu lado ou, por vezes, à minha frente. Sem rivalidade nem desconfiança. Apenas fraternidade e serviço. Torna-me espaço para os outros.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, Tu és o meu lugar, meu chão e minha pátria. E os outros são caminho para Te alcançar. Em Ti repouso, louvo e contemplo.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Vivo centrado nos meus interesses?
- Sou generoso com quem não me pode retribuir?
- O que busco quando me aproximo dos outros: dar ou receber?

UM PENSAMENTO
“A humildade, rainha das virtudes, é recusar existir fora de Deus.” (Simone Weil)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça da humildade na verdade.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Ansioso, procuro o meu lugar
onde possa afirmar quem sou
pois meu chão diz parte de mim.
À mesa, na plateia, neste mundo
serei alguém desde o meu lugar.

Mas depois, chegaste Tu, Senhor:
desabrigado, do presépio ao Calvário,
hóspede do mundo cedendo espaço
até preencheres o único deixado vago,
naquela Cruz… em meu lugar.

À mesa do teu Reino, me esperas.
Reconhecido, tomarei o último assento
entre pobres, aleijados, coxos e cegos
e dirás: “amigo, sobe mais para cima”.
E eu, retribuindo: “Tu és o meu lugar”.

UMA CANÇÃO
Phil Wickham feat. Madison Cunningham – The secret Place

  • Visualizações: 201