XXV Domingo Comum (B)

A GRANDEZA DE SERVIR25 COMUM B

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Mc 9, 30-37.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
De novo, Jesus anuncia a sua morte e ressurreição. Iludindo o drama, os apóstolos preferem discutir sobre qual deles é o maior. Pacientemente, Jesus instrói-os.

2. O que me diz Deus
- Imagino-me entre os discípulos. Que sinto?
Jesus avisa que segui-l’O não é um passeio triunfal. É, antes, uma entrega cuja coerência tem consequências. Como os apóstolos, tento esconjurar a cruz através de sonhos e ambições. Mais realista, Jesus ensina-me que “ser grande” é servir os outros. Para o ilustrar, significa-me que, diante de Deus, todos somos como crianças. Na medida em que acolho e ajudo os outros, darei lugar a Deus na minha vida. Disponho-me a segui-l’O? Primeiro, tenho de desarmadilhar as minhas próprias ilusões.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, quantas vezes me prevines que todo o caminho implica cruz. Mais ainda, se pretendo ser teu discípulo. Por receio de falhar, esquivo toda a forma de dor. A consequência é deixar de caminhar. Relativizando as tuas palavras, perco-me na superficialidade. Fantasio, argumentando o direito a sonhar. Mas, ninguém mais do que Tu deseja o melhor para mim. Por isso, me queres esclarecido. O mal não me apanhe desprevenido. Só perseverando no bem, colherei um Bem maior.
Senhor, aprenda de Ti que apenas se é grande servindo. Abrindo-me aos outros (às suas feridas e necessidades) cresço. Só no melhor de mim me realizo verdadeiramente. Liberta-me do enganoso medo de me reconhecer pequeno e frágil. De outro modo, como ganharei irmãos!? Como receberei e saborearei o teu abraço!?

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, o teu caminho é escola de discipulado. Ao melhor Mestre, agradeço e louvo. Como aprendiz teu, contemplo e adoro-Te.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Aos meus olhos, quem reconheço como “maiores”?
- O que (e quem) cabe nos meus sonhos? Porquê?
- Servir os outros engrandece-me ou empouquece-me?

UM PENSAMENTO
“Adormeci e sonhei que a vida era alegria; despertei e vi que a vida era serviço; servi e vi que o serviço era uma alegria.” (Rabindranath Tagore)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de servir com amor.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Parece o mesmo caminho
o Teu e o meu, partilhado
mas os descompassados passos
enunciam anseios e fins diversos.
Vislumbro-me coroado
sem fazer caso das pedras
que Te ferem os pés e a alma.
Desenganado, bem me prevines
dos vindouros espinhos.
Falas-me de um mundo irmão
onde todos somos crianças
onde só de joelhos se alcança
e abraça o coração do outro
e suas púdicas feridas.
Então, finalmente, percebo
que apenas servir me eleva
acima de mim mesmo.

UMA CANÇÃO
Misty Edwards – Servant of all