XXIX Domingo do Tempo Comum C

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

Ser Oração
“Jesus disse uma parábola sobre a necessidade de orar sempre sem desanimar.” (cf Lc 18, 1-8)

1. Procuro um lugar tranquilo e agradável que me ajude à concentração.
Encontro uma boa posição corporal.
Silencio o meu interior. Respiro lentamente e suavemente.
Tomo consciência da presença de Deus.
- Invoco o Espírito Santo para que seja luz e guia na minha meditação, contemplação e adoração.

2. Releio pausadamente a passagem evangélica (Lc 18, 1-8).

- Penetro a parábola partilhada por Jesus, percebendo o que ele transmite, através das cenas, personagens e diálogos, como se fosse uma testemunha do momento.
- Procuro entender a mensagem e significado, hoje para mim. O que me diz, o que me faz sentir?
- Sublinho o importante; fixo o essencial. Esta Palavra é-me dirigida.

3. A parábola é clara: Jesus alerta-me sobre a “necessidade de orar sempre sem desanimar”.
- Que lugar e importância têm a oração no meu quotidiano?
O Evangelho de Lucas recorda-nos com muita frequência o hábito que Jesus tinha de se retirar a sós para entrar em intimidade com o Pai. Se o Filho de Deus sentia essa necessidade, que direi eu?
O Senhor diz-me que devo orar sem desanimar.
- Tenho seguido esse conselho? A minha oração depende apenas das minhas necessidades e aflições? - Quando não obtenho a resposta desejada e imediata, como reajo?
O pedido de Jesus é que seja persistente. Peço-Lhe essa graça.
Insistir na oração permite-me também tomar mais consciência do que peço a Deus.
- Será que peço o melhor para mim, o prioritário, o essencial?
Peço ao Espírito santo que me ajude a purificar a minha oração, que me inspire o que pedir.
Orar com persistência e confiança, sob assistência do Espírito Santo, também potencia a qualidade da minha relação com Deus.
Através dessa comunhão orante apercebo-me que Deus é o primeiro dom a pedir.
O fruto natural da intimidade com Ele é a sua presença em mim. E nada se Lhe pode comparar.
A consequência é deixar-me transformar pela minha própria oração.
O objetivo de cada encontro com Deus já não é colher os benefícios pedidos mas sair diferente, mais firme e confiante, mais consolado e esclarecido.
Converso com Ele como um amigo: falo, escuto, peço, louvo, pergunto, silencio.
Saboreio a graça que é tê-l’O no meu íntimo.

4. Abandono-me nas mãos de Deus.
Peço-Lhe que me revele a sua vontade, o que espera de mim, qual a resposta que Ele merece de mim.
Peço, suplico, imploro, se necessário. Confio.
Confio e agradeço, com palavras minhas.
Contemplo e adoro.
Confiando n’Ele, ouso comprometer-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária com Ele e com os outros à minha volta.

UM PENSAMENTO
“Vale mais rezar com o coração sem encontrar palavras, do que encontrar palavras e não pôr nelas o coração” (M. Gandhi)

PROVOCAÇÕES
- A minha oração é persistente como me pede Jesus nesta parábola?
- Peço só para receber? O que dou de mim a Deus quando estou com Ele na oração?
- Deus não é surdo à minha oração. Mas estarei eu à escuta daquilo que peço e digo a Deus?
- A minha oração transforma-me? Saio diferente desses momentos com Deus?
- Na verdade, quando rezo, estou com Deus ou só comigo mesmo?

UM PROPÓSITO
Pedir ao Espírito Santo a graça de aprender a orar, confiante e persistente.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Peço e oro na esperança de receber
O que espero só por pedir e orar
Sem me meter dentro do pedido
Julgando que, pedindo, já seja favor.

Mas o que esperas, meu Senhor
Não é o pedido, mas o pedinte,
Encomendado e confiante em Ti
O suficiente para que seja encontro.

Ter-Te à minha escuta já é ouro
Mas ter-me presente seria o óbvio
Pois acolher-te é o mais necessário:
Orar é em Ti existir e permanecer.

Pedir-Te, pois só Tu te podes dar
Mais que outro qualquer pedido
E transformar-me em desejo de Ti
Escutando-Te a fim de ser eu oração.

UMA CANÇÃO
Citizen Way – When I’m with You